sábado, 31 de janeiro de 2009

Ainda Existe ética na Igreja?


Ética pode ser definida como estudo critico da moralidade. Consiste na analise da natureza da vida humana, incluindo os padrões do “certo” e do “errado” pelos quais sua conduta possa ser guiada e dirigida. Em resumo: Ética é, na pratica, aquilo que você pensa e faz. No contexto da ética cristã, aprendemos nos Seminários Teológicos, que é um somatório de princípios que formam e dão sentido a vida cristã normal. É a marca registrada de cada crente. E o que cada crente pensa e faz. Por aquilo que o crente faz evidencia a sua dependência de Deus e do seu próximo.
A imprensa nacional noticiou recentemente que caráter e ética independem de cultura, posição social e religião. Com a devolução de quarenta mil reais pela catadora de papelão, Lourença Cunha na cidade de Penapolis, interior de São Paulo, para o dono de um super mercado, ficou provado que ainda existe pessoas honestas no Brasil, que mesmo passando por dificuldades financeiras, não colocam a mão naquilo que não lhe pertence. Outra prova de honestidade e caráter, foi dada pela dona de casa, Ione machado, 48 anos, moradora de Maringá, no Paraná, que em dezembro de 2004, devolveu o cartão do Programa Bolsa Família ao governo Federal, assim que seu marido Arquilino Machado, conseguiu um emprego de vigia noturno. Com jeito calmo e voz suave, dona Ione afirmou, que as pessoas não conseguiram entender seu gesto, e que no Brasil ser honesto e ter caráter, tornou-se algo vergonhoso. No Brasil, temos observado o comportamento de alguns pastores e lideres de igrejas evangélicas, causado verdadeiros escândalos, ferindo a ética cristã, seduzidos pelo poder e dinheiro. Onde uma pergunta não quer calar: “ Ainda existe ética e caráter no seio da Igreja evangélica brasileira?”.Os pastores foram chamados pelo Senhor da Igreja, para guiarem o povo rumo a salvação em Cristo. Não podemos nos deixar seduzir pelos deuses Mamon e Afrodite. Os pastores tem o compromisso com o Sumo Pastor, de serem faróis que iluminam, e tempero do mundo corrompidos e marcado pelo fracasso dos valores éticos e morais. Diante de tantos fatos que desmerecem a vocação pastoral, e necessário valorizar os verdadeiros Homens de Deus que não se corrompem.
Considerado o maior presidente dos Estados Unidos, Abraham Lincoln, gostava de afirmar que: “ Caráter e como uma arvore e reputação a sombra. A sombra é o que nos pensamos sobre isto. A árvore é a realidade”. Um dos brasileiros mais ilustres na historia da republica, o senador baiano Ruy Barbosa(foto), disse certa vez: “ de tanto ver triunfar as nulidades, de tanto ver prosperar a desonra, de tanto ver crescer a injustiça, de tanto ver agigantar-se os poderes nas mãos dos maus, o homem chega a desanimar-se da virtude, e rir-se da honra e a ter vergonha de ser honesto”.
Cremos, que mesmo com a intensa e crescente fabricação de obreiros neófitos em denominações de linha neo pentecostal, pregando a teologia da prosperidade, visando o Reino material terreno com acumulo de riquezas em detrimento de sua salvação, ainda existem muitos pastores que não dobraram seus joelhos diante de Baal. Pastores que experimentaram o novo nascimento e agora vivem de acordo com a vocação divina, onde Jesus diz: “ Vos sois o sal da Terra” ( Matheus 5.13). A função do sal e principalmente evitar a deterioração, enquanto que a função da luz é iluminar as trevas. Por tanto, a ética cristã e uma norma de vida a ser vivida por aqueles que encontram vida em Cristo, e como tal, deve ser demonstrada através de uma continua comunhão com Deus. O reformador alemão Martinho Lutero uma vez disse: “ Este livro ( A Bíblia) me faz fugir do pecado ou o pecado me faz fugir deste livro”.

sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Ignorando o inferno


Minha esposa costuma reclamar quando prego um sermão mais longo, que ultrapasse 30 minutos. Já alguns jovens mesmo sendo membros de uma igreja genuinamente evangélica, torcem o nariz e ficam irrequietos, quando prego sobre o inferno. Para muitos segundo uma interpretação moderna, o inferno é aqui mesmo, onde todos haverão de pagar seus pecados. Depois de pregar em diversas igrejas como também ouvir inúmeras pregações e assistir dezenas de mensagens de evangelistas famosos, como também, estudarmos as palavras inferno e julgamento presentes em todo Novo Testamento, percebemos que nos púlpitos da igreja triunfalista, pós-modernista, estão ignorando o inferno desconsiderando o impacto humano que ele causa. Um evangelho de auto ajuda, água com açúcar, ao sabor do freguês, tem sido pregado por todo Brasil, levando ao inchaço das igrejas, sem porem citar o ensino sobre o inferno.
As palavras de Jesus sobre o gehenna, o deposito de lixo nos arredores de Jerusalém, onde os corpos eram lançados, onde os vermes os comiam, e o fogo não parava de queimar, foram lançadas no esquecimento do sermonário de muitos pastores de “ sucesso” da teologia da prosperidade. A igreja que não prega a realidade do inferno e no fato de que aqueles que foram criados a imagem de Deus, que tendo aceito Jesus como Senhor e Salvador, haverão de viver a eternidade em comunhão com Ele ou distante Dele, esta fadada ao fracasso espiritual, mesmo que seus cofres estejam cheios de moedas e seus pastores andem de carros importados e cortem os céus do Brasil a bordo de jatinhos, naquele grande dia receberão do Senhor, uma declaração desagradável: apartai-vos de Mim.
A missão da igreja e de seus ministros, é pregar o evangelho completo, sem omitir nenhuma palavra, ou como afirmou o grande pregador Charles Spurgeon: “ Se pecadores haverão de perecer, que pereçam com nossos braços ao redor de seus joelhos, que ninguém experimente os tormentos do inferno sem que tenha recebido nosso aviso e orações.

quinta-feira, 29 de janeiro de 2009

A Sabedoria da Dona Rita


Fui criado pela minha avó, enquanto minha mãe trabalhava fora em uma tecelagem para ajudar nas despesas da casa. A velha Rita, descendente direta de escravos, não sabia ler e tão pouco escrever, porém possuía uma sabedoria de vida de fazer inveja a muitos professores universitários. Nascida e criada no interior, cresceu trabalhando na roça, onde durante muitos anos, plantou e colheu café nos morros de Jerônimo Monteiro, no estado do Espírito Santo. Quando eu tinha 14 anos, fui conhecer minhas origens rurais, andando a cavalo em direção ao morro da Cava Roxa. Foi quando acompanhado de minha avó, ela perguntou-me:
- Você está ouvindo o barulho da carroça, ela deve estar vazia.
De onde estávamos, não podíamos enxergar a tal carroça, assim perguntei curioso:
- Como a senhora sabe que a carroça esta vazia?
- Muito simples meu neto.
-Como, não entendi:
- por causa do barulho que faz. Quanto mais vazia a carroça, maior é o barulho que ela faz.
Passado tantos anos, após sua morte depois que me casei e com meus filhos adolescentes, quando encontro uma pessoa muito tagarela e sem conteúdo suas palavras, lembro-me da sabedoria da dona Rita em reconhecer uma carroça vazia.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Nem tudo que começa bem, termina bem.


Está se tornando comum na Igreja Evangélica Brasileira atual, em suas diversas denominações, o caso que aconteceu com o Rei Davi e Bete Seba.
Diz a historia que Davi, estava instalado confortavelmente em seu palácio, ao invés de ter saído para guerrear contra os inimigos de Israel, quando contemplou a beleza da mulher de Urias se banhando, passando a desejá-la, culminando com o adultério. Davi quando apascentava as ovelhas do seu pai, Jesse, o Belemita, matou um leão e um urso, e derrotou o gigante filisteu Golias, ganhando isenção tributaria para sua família e a mão da filha do Rei Saul, tornando-se seu genro e sucessor. O inicio de sua caminhada rumo ao trono de Israel, foi repleta de vitorias, por confiar nas promessas de Deus na sua vida. Mais em determinado momento, onde estava usufruindo de suas glorias passadas, ele termina mau sua biografia, cometendo pecado contra Deus, sua família, a Nação e a sí mesmo. A historia de Davi, representa uma trajetória de vida bem iniciada que pode ser prejudicada por falhas ao longo do caminho e não terminar bem.
O filho de Davi, o rei Salomão, também começou bem seu reinado, pedindo sabedoria a Deus para governas o povo com justiça. Mais no final da vida, amou mais as mulheres estrangeiras do que o Deus de Abraão Isaque e Jacó e passou a adorar outros deuses estranhos, ao invés do Deus verdadeiro. O Rei Uzias é outro exemplo disso (IIReis 15.2-7). No começo de seu reinado sempre buscou os conselhos de Deus. Ele foi coroado com apenas dezesseis anos, desfrutou de sucessos militares e ganhou fama durante a sua caminhada. Porem, num determinado momento, tornou-se orgulhoso. Esqueceu-se de que Deus era a fonte de seu sucesso e começou a pensar que estava acima de tudo e de todos. Uzias passou a desobedecer a Deus e a cometer atos impensados. Por causa de sua desobediência, Deus o atingiu com lepra, e ele passou a resto de seus dias desfigurado e imundo, mostrando visivelmente seu fracasso em permanecer fiel a Deus. Isso me faz lembrar, um certo pastor que conheci. No final de sua carreira profissional foi lhe dado o privilegio de liderar uma grande igreja. De inicio colocou todo povo em oração e jejum. Criou departamentos de evangelismo e missões. Promoveu cruzadas evangelísticas e vigílias, levando o povo a buscar a Deus de maneira permanente. Após ver seus filhos e netos criados na casa do Senhor, em com quarenta anos de casamento, cobiçou outra mulher jovem, destruindo sua família e ministério perdendo o respeito e a credibilidade conquistada Que nós, ao contrario dos exemplos Bíblicos e como também nos dias atuais, não permitamos que um momento de fraqueza destrua uma vida inteira de vitoria que Deus tem reservado para todos aqueles que foram chamados para uma grande obra.

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

A Importância dos Patriarcas


Durante meu período de estudos no Curso de Orientação Ministerial, realizado na Escola de Preparação de Obreiros Evangélicos da Convenção Fraternal das Assembléias de Deus no Estado do Rio de Janeiro, com sede em São Cristovão, na cidade do Rio de Janeiro, tendo como um dos fundadores, o saudoso pastor Túlio Barros, descobri que muitos fieis e principalmente oficiais da igreja, aspirantes ao episcopado não conhecem a historia da igreja cristã através dos séculos, como também os pais das denominações e o papel que eles ocuparam na formação da fé Cristã.
Estávamos na sala de aula, quando o professor Nemuel Kessller, perguntou quem conhecia a historia de vida dos fundadores das Assembléias de Deus no Brasil e para surpresa desagradável, mais da metade desconhecia, não somente os nomes de Daniel Berg, e Gunnar Vingren, como também os dogmas e doutrinas de fé da igreja pentecostal no Brasil, como maior denominação evangélica do mundo. Assim que fui recebido no Ministério de Madureira, também percebi, que a nova geração de obreiros, também desconhecia a importância da contribuição do pastor Paulo Leivas Macalão, como fundador da Assembléia de Deus em Madureira, na historia do movimento pentecostal em solo pátrio.
Assim como os pais da igreja cristã nos seus primeiros séculos de igreja indivisa consolidaram a doutrina Bíblica no combate ao erro e as heresias. Da mesma maneira, homens da estatura de fé como Berg, Vingre e Macalão trabalharam pela evangelização e o derramamento do Espírito Santo no Brasil transformando uma igreja iniciante com apenas 19 pessoas em uma casa de família, no Bairro Cidade Velha, no dia 18 de junho de 1911, no alicerce da obra pentecostal com milhões de fieis em todas as regiões do Brasil, alcançando com o fogo do Espírito Santo todos os seguimentos da sociedade Brasileira. Ainda que na interpretação racionalista pós-moderna, os pais da igreja atual, sejam considerados como personagens históricos ultrapassados, estando superados pelo simples fato de pertencerem aos primórdios do igreja, podemos afirmar categoricamente que isto representa uma mentalidade modernista inadequada ao momento presente, em que mais necessitamos conhecer nossas origens. O pensamento reinante da nova geração de obreiros com total desconhecimento da historia de sua denominação, representa uma grande ignorância e reducionismo, fruto de uma mentalidade atrasada. Com isso, não é de se espantar,a tremenda crise de identidade de muitos pastores, cujas igrejas flutuam ao sabor das modas teológicas oportunistas, rompendo com a boa tradição cristocêntrica, trazendo vergonha com escândalos heréticos ou de natureza moral. Aqueles que não conhecem nossa historia de compromisso com a santidade da igreja, estão querendo transformas as Assembléias de Deus na proximidade de seu centenário, em uma igreja a la carte, self service, onde cada um escolhe seu prato e se serve a vontade com comida estragada. Alguns lideres da Assembléia de Deus contemporânea, com seu culto e tributo a juventude e a reciclagem de valores, se rende e glorifica o modismo passageiro, tendo dificuldades para reconhecer e enxergar o valor dos nossos antepassados. Está se criando no seio da igreja, uma nova geração que por desconhecer os fundamentos da fé pentecostal, estão glorificando a imagem e o espetáculo, não valorizando o sangue e as lagrimas derramadas pelos patriarcas. Torna-se necessário lembrar-mos dos nomes dos pais e seus ensinamentos, para não perdermos o deposito da fé, tal como o apostolo Paulo exigiu do seu filho e discípulo Timóteo (II Timóteo 1:13-14). A teologia contemporânea pregada em alguns púlpitos da igreja, ignoram os patriarcas, perderam a fé e a identidade pentecostal. Se não sabemos quem somos,nem de onde viemos, também não saberemos para onde vamos, criado o perigo da fragmentação, ruptura e dispersão.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

2009 – Tempo de Avançar


No ano em que o Conselho de Pastores de Rio das Ostras, completa 8 anos de fundação o nosso lema precisa ser: “ Recuar jamais; parar nunca; avançar, sempre”. Ainda que o inimigo da igreja se levante usando discípulos da discórdia para tentar destruir o Conselho em nome de uma falsa unidade, com o discurso demagógico de que pertencemos a nação de Israel, não alcançara sucessos, por quanto confiamos nas palavras do salmista: “ Mas o Conselho de Senhor permanece para sempre, e os intentos do seu coração de geração em geração”. ( Salmos 33.11). De nada adianta, o inimigo da Igreja de Cristo, articular e disseminar boatos aleivosos contra a proposta desse Conselho em orar por um avivamento espiritual em Rio das Ostras. Temos que tomar cuidado e rejeitar propostas políticas mascaradas de unidade eclesiástica, que visam unicamente a chegada ao poder temporal secular de pessoas que usam o púlpito para satisfação de seus anseios pessoais. É impressionante como o inimigo tem tentado atrapalhar o trabalho desenvolvido por este conselho, desde sua organização e reunião no bairro Nova Cidade no qual contamos com membros ilustres da igreja evangélica riostrense dentre os quais podemos destacar, o pastor batista Elbio Pereira Melo. Naquela época, afirmavam categoricamente, os inimigos em particular do movimento pentecostal, de que este conselho formado de homens simples, sem grande conhecimento teológico, mais profundo amor pelas almas perdidas, estaria fadado ao fracasso com seis meses. O que nunca aconteceu, ainda que tivessem procurado semear o ciúme denominacional. Naquele momento, tomamos como divisa: Eclesiastes 4:12: “Se Alguém quiser prevalecer contra um, os dois lhe resistirão. O corda de três dobras não se quebra tão depressa”. Porem, para nos desviarmos dos perigos que rondam a nossa marcha vitoriosa, precisamos ficar vigilantes com os que sofrem da síndrome de Hamã. E realmente maravilhoso notar que apesar de algumas oposições isoladas ao buscar do derramamento do Espírito Santo, sobre Rio das Ostras por este Conselho de Pastores, a igreja evangélica riostrense, vive um momento muito especial de crescimento, não apenas quantitativo, mais principalmente qualitativo.
O propósito do nosso coração, e de que temos que procurarmos ser um conselho cristocêntrico, deixar que Jesus, o Sumo Pastor, ocupe o centro de nossas decisões. Precisamos urgentemente policiar com o discernimento do Espírito Santo, as vozes que tem se levantado supostamente em favor da unidade e observarmos seu histórico de vida e jamais permitir que percamos o caráter cristocêntrico da humildade. Não podemos deixar que qualquer coisa ou ate mesmo qualquer pessoa com interesses obscuros ocupe o lugar e a posição que pertencem somente ao Senhor e fundador da Igreja. No mais, no amor do Senhor Jesus, vamos continuar trabalhando pelo estabelecimento do Reino de Deus em Rio das Ostras, ate que ele venha buscar sua Igreja.

domingo, 25 de janeiro de 2009

John Wesley – O Pastor dos Pobres


A imprensa nacional secular tem sido usada como verdadeiro martelo sobre alguns seguimentos da Igreja Evangélica Brasileira, com seus escândalos praticados por lideres denominacionais. Na maioria dos casos, quando o escândalo não e de origem sexual, geralmente passa ser de ordem financeira, com desvio e ma aplicação dos recursos trazidos a Casa de Deus, na compra de mansões, haras para criação de cavalos puro sangue,ou ate mesmo a entrada em outro pais, com dinheiro não declarado a receita federal, como aconteceu com os fundadores da igreja Renascer em São Paulo, o que ocasionou suas prisões nos Estados Unidos.
Houve um tempo em que o ministério pastoral representava uma vida de simplicidade, onde muitos pastores, verdadeiramente vocacionados, e com grande amor no coração pelas almas perdidas, não faziam do púlpito, um meio de acumular riquezas na Terra, ostentando poder e prestigio com sua paróquia. Houve um tempo também, que muitos ministros do evangelho, ficariam ofendidos em serem convidados a trocarem o púlpito em uma aldeia pelo palanque político para alcançarem o poder dos palácios. E claro que toda regra, tem exceção. Uma delas, aconteceu com o pastor Rick Warrem, pastor titular da Igreja de Saddleback Valley na Califórnia, Estados Unidos, autor do Best Seller: “ Uma igreja com propósito”, que fez a oração na posse do presidente Barak Obama, quando perguntado se aceitaria uma nomeação a candidatura política, ele disse: “ Em hipótese alguma aceitarei algo que seja menor que ser um pastor”. Isso me fez lembrar de João Wesley, quando foi proibido de pregar o evangelho nas aldeias da Inglaterra, pelo bispo da Igreja Anglicana e declarou sua frase histórica: “ Minha paróquia é o mundo”. Após estudar a historia da igreja protestante e suas principais denominações pós-reforma, descobrimos para nossa alegria e contentamento, que os fundadores denominacionais, foram pastores simples e pobres, que não usavam de sua posição clerical para usufruir vantagens e benefícios pessoais. E novamente, nos lembramos de João Wesley, o pastor que foi expulso da Igreja anglicana e tornou-se pai do metodismo e um dos instrumentos de Deus para a realização do grande avivamento espiritual na Inglaterra. Wesley limitava seus gastos com uma vida sem luxos e identificação com os pobres necessitados. Pregava que os cristãos deveriam se considerar pobres a quem Deus entregou dinheiro para ajudar outros e colocava suas palavras em pratica, vivendo e comendo com os pobres. Sob a liderança de Wesley, os metodistas de Londres, estabeleceram na cidade duas casas para abrigar viúvas, que eram sustentadas por ofertas levantadas nos cultos e na Ceia do Senhor. Em 1748, Wesley morava ema casa simples como qualquer outro pastor metodista pobre na cidade. Ele se alegrava por comer da mesma comida a mesma mesa, sempre esperando ansioso pelo banquete celestial que todos os cristãos irão compartilhar. João Wesley não se identificava com os pobres apenas compartilhando alimento, moradia e abrindo mão de luxos. As vezes deixava de atender algumas de suas necessidades para doar dinheiro para as viúvas e órfãos carentes. Durante quatro anos de seu ministério de alimentou basicamente de batatas para poupar e ajudar os mais pobres. Dizia ele: “O que eu economizo em minha carne irá alimentar alguém que não tem nada”. Quando ele morreu em 1791, o único dinheiro encontrado foi algumas moedas em seus bolsos e na gaveta de sua escrivaninha. Wesley morreu pobre, como pastor, porem rico da Graça de Deus, tão diferente de alguns pastores que encontramos nos dias atuais.
Poucos pastores na historia da igreja, mereceram o titulo de pastor dos pobres, como João Wesley, com seu trabalho social e amor aos perdidos, certamente ele acumulou tesouros nos Céus, bem diferente dos pastores que pregam a teologia da prosperidade, andam cercados de seguranças particulares e adoram ao deus Mamon, ou será que estamos errados?

sábado, 24 de janeiro de 2009

As Marcas de Cristo na vida do Homem de Deus


Segunda feira, no final da tarde o telefone toca. Era o pastor Sergio Amaral, vice presidente da Assembléia de Deus de Macaé, com congregações em Rio das Ostras, Cabo Frio e Carapebus, me convidando para pregar no culto de ação de graça pelo 59° Aniversario de nascimento do Pr.Celso Ferreira(foto), dirigente da congregação da rua C, bairro Nova Esperança – Rio das Ostras.
A principio relutei, por ser dia do meu descanso com a família, porem, como ele insistiu na busca da unidade da igreja e seus ministros na cidade em torno do trabalho desenvolvido pelo Conselho de Pastores, não pude recusar. Chegando no pequeno templo em um Bairro popular, encontrei-o repleto em noite de festa, onde por sinal, fui muito bem recebido. Ates da pregação, houve as devidas homenagens das ovelhas e demais colegas de ministério. Naquele ambiente fraterno, em meio aos louvores e cânticos, foi trazido a conhecimento publico, a biografia do aniversariante, como um homem de Deus que traz as marcas de Cristo em sua vida. Naquele momento, o Espírito Santo fez-me lembrar das palavras do Apostolo Paulo em sua carta as Gálatas: “ Sem mais, que ninguém me perturbe, pois trago em meu corpo as marcas de Jesus”. ( Gálatas 6.17).
O apostolo dos gentios, nos ensina, que cada cristão, independente de ser pastor ou não, deve levar consigo as marcas de Jesus. Mais nós, ministros do evangelho, temos um compromisso alem disso, porquanto somos chamados para sermos homens de Deus; para derrotar gigantes como fez o pequeno pastor Davi, para falar a língua de Deus, o idioma do amor. O homem de Deus precisa ter as marcas do chamado pastoral que são a busca da santidade como proposta de comportamento no falar, agir, e pensar.
Um verdadeiro pastor chamado por Deus, nunca será um mero administrador de apriscos ou profissional do púlpito mercenário que negocia a lã de suas ovelhas. Nunca trocara o primeiro amor de suas ovelhas pelo entulho eclesiástico ou palanque dos palácios, antes seu foco de vida esta em servir a linda noiva de Jesus. Esse é o seu chamado.
Um sentimento de renuncia vai acompanhá-lo todos os dias. Quanto mais profunda for sua comunhão com Deus, mais renuncia ela irá requerer. Paulo de perseguidor passou a perseguido, de mestre dos fariseus passou a discípulo, considerando todo seu conhecimento religioso como esterco. Mais o que para mim era lucro, passei a considerar como perda, por causa de Cristo. Mais do que isso, considero tudo como perda, comparado com a suprema grandeza do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor, por quem perdi todas as coisas. Eu as considero como esterco para poder ganhar Cristo.(Filipenses 3.7-8). O pastor que possui as marcas de Cristo, tem o respeito das ovelhas e do povo em geral, pelo que ele é, e nunca pelo que representa, uma denominação, um Conselho de Pastores, um curso teológico, uma formação acadêmica. Pedro, um simples pescador, homem inculto, era respeitado pela sua comunhão apostólica e unção dada por Deus. Ao final do culto, não pude dar nenhum presente material ao pastor Celso Ferreira, visto que ele já possui, os maiores presentes que um homem pode receber durante sua existência: A Salvação eterna e a unção pastoral, que fazem dele, um dos homens mais felizes da Terra.

sexta-feira, 23 de janeiro de 2009

Um Pastor Medíocre



O Teólogo brasileiro Leonardo Boff, um dos pais da Teologia da Libertação, que recebeu o voto de silêncio do alto clero católico, declarou recentemente, que a maior autoridade católica do mundo, o papa Bento XVI, é um pastor medíocre, mesmo com toda sua formação teológica conservadora e falta de decisões que levem ao retorno de crescimento da igreja no ocidente e principalmente nos países do Terceiro Mundo, onde tem perdido um exército de fiéis para as igrejas evangélicas.
Os especialistas em liderança, dizem que ser decidido é uma chave indispensável para que alguém tenha sucesso na vida. Toda realização seja de fé ou profissional, grande ou pequena começa com uma decisão. Existem pessoas que são como carrinhos de mão, que necessitam ser empurrados, puxados ou impulsionados para que cheguem a algum lugar. A indecisão é uma das marcas do líder e pastor medíocre, seguida do medo diante das crises. Segundo a escritora Helen Keller: A ciência pode ter encontrado a cura para a maioria das doenças, no entanto ainda não encontrou o remédio para o pior de todos os males, - a indecisão dos seres humanos. Conheci um pastor pentecostal, sexagenário que no final de sua carreira ministerial, foi lhe dado a oportunidade de liderar uma grande igreja, repletas de problemas causados por sucessivos escândalos. Um dia após sua posse, ele marcou uma reunião com todo corpo de obreiros para a tomada de decisões, visando a restauração da credibilidade perdida. No decorrer da reunião, um diácono, filho do pastor antecessor, lhe agrediu com palavras e fisicamente, fazendo verdadeiras ameaças a sua integridade pastoral. O que requeria uma atitude disciplinar de imediato. O que não aconteceu, seguido de sua renúncia a presidência da igreja, sendo chamado pelos seus superiores eclesiásticos de um pastor neófito e medíocre.
A Bíblia revela que o pastor que se tornou o rei mais amado e respeitado de Israel, o pequeno Davi, não se intimidou diante das ameaças do gigante filisteu Golias, e tomou a decisão de enfrenta-lo em nome do Senhor dos Exércitos, culminando com sua vitoria. Outro personagem Bíblico que nos deixou um exemplo de atitude positiva, foi Calebe, filho de Jefoné, que diante do relato dos espias e suas dificuldades após quarenta dias, fez calar o povo perante Moises, e decidiu: “ subamos animosamente, e possuamo-la em herança, pois certamente prevaleceremos contra ela.” (Números 13.30). Por conta de sua atitude, Calebe entrou na Terra Prometida e a sua semente a possuiu por herança. Deus em sua infinita Graça e misericórdia, nos chamou para fazermos a diferença no mundo. Eles nos concedeu as ferramentas necessárias para tomarmos atitudes que nos levem a vitoria, a sua Palavra contem verdadeiras pérolas de sabedoria, para sairmos da mediocridade, basta apenas colocá-las em prática com fé e determinação.
Um dos maiores especialistas em treinamento de lideres da igreja no mundo, o pastor norte americano John Maxwell, certa feita declarou: “ o pessimista reclama do vento, o otimista espera que ele mude. O sábio ajusta as velas”.

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Vai Passar...


Por confiar nas promessas do homem, assumi dividas, e quando chegou a crise financeira mundial no inicio de 2009 com sua recessão global, fomos forçados a vender o carro importado, pago em suaves prestações com grande sacrifício, para honras os compromissos com os credores. Durante esse período de incertezas e quebrantamento, sem enxergar uma luz no final do túnel, todos os dias recebíamos a visita de uma anciã, crente batista, que após enfrentar muitas dificuldades na vida, como migrante nordestina, veio ainda garota para o Rio de Janeiro, cuidar de sua mãe internada em um hospital de tuberculosos, e conseguiu superar todas as adversidades, mediante sua fé. Com seu histórico de vida, sempre ao cair da tarde, procurava me animar sempre, com uma palavra simples e direta: “ Vai passar...” o melhor de Deus, ainda está por vir.
Foi quando navegando em um site, descobri um texto que me encheu de bom ânimo para enfrentar a crise e que por coincidência tem por titulo: Vai passar...
Uma antiga lenda conta que um famoso rei decidiu reunir seus principais sábios e eruditos em conselho para solicitar-lhes um favor.- Acabo de trazer um grande anel de minha última conquista – disse o monarca. Ele é muito valioso e ainda tem a vantagem de me permitir guardar em seu interior algo mais valioso ainda. Preciso que vocês, ao final do dia, escrevam a frase mais sábia que um mortal jamais ouviu. Quero que cheguem a uma conclusão sábia e depois a escrevam em um pequeno pedaço de papel. Depois, guardarei essa frase em meu anel. E se algum dia o infortúnio permitir que me encontre em meio a uma crise muito profunda, abrirei meu anel e estou certo de que essa frase me ajudará no pior momento de minha vida.Assim, os sábios passaram o resto do dia discutindo sobre qual deveria ser a frase que resumiria toda a sabedoria que nenhum homem jamais ouviu. Quando caiu a noite, um dos eruditos aproximou-se do rei, e representando a todos os demais sábios entregou-lhe a frase escrita em um pequeno papel.- Aqui está, Majestade. Guarde-a em seu anel e leia somente se uma grande crise sobrevier sobre sua vida e seu reino.O monarca guardou o papel em seu anel, esquecendo-se do assunto.Tempos depois, o reino foi saqueado pelos inimigos e o palácio reduzido a entulhos. O rei conseguiu escapar entre as sombras e se ocultou nas rochas. Ali, observando um precipício, considerou a possibilidade de tirar a própria vida lançando-se em direção ao vazio antes que caísse em mãos inimigas. Foi quando se lembrou que ainda conservava o anel, e decidiu abri-lo. Desenroscou o diminuto papel e leu: “Isso também passará”. O rei sorriu em silêncio, e teve ânimo para ocultar-se em uma gruta, no meio da escuridão, até que não corresse perigo.A lenda diz que vinte anos depois, o rei tinha recuperado todo seu esplendor, a força de novas batalhas e conquistas. Aquele momento amargo havia ficado atrás, e agora regressava triunfante da guerra, ovacionado pela multidão. Um dos antigos sábios que caminhava ao lado da carruagem real, já ancião, sussurrou ao ouvido do rei: Majestade, creio que hoje também deveria voltar a olhar o interior de seu anel.- Agora? Por que fazer isso? Não estou no meio de uma crise, ao contrário – replicou o rei. É que essa frase não foi escrita apenas para os momentos difíceis, mas também para quando acreditares que todos os bons momentos devem perdurar por toda a eternidade. Em meio aos aplausos, o rei abriu o anel e voltou a ler: “Isso também passará”, e descobriu que naquele momento sentia a mesma paz que teve quando estava a ponto de tirar a vida. O mesmo sossego, a mesma tranqüilidade o invadiu por completo. Naquele dia, o rei descobriu que a frase que os sábios lhe entregaram deveria ser lida nas derrotas, mas sobretudo, nos tempos de vitória. Não importa a crise que você está passando, seja financeira, familiar, saúde, emocional, confie nas promessas de Deus através da sua eterna Palavra, e que a crise, haverá de passar.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2009

Não há crise para quem está em Cristo


A mídia mundial tem noticiado a crise financeira nos Estados Unidos e seus reflexos na economia internacional com a chegada da recessão. No Brasil, onde foi adotado uma política neoliberal desde de o governo FHC, continuado no governo Lula, a crise financeira também chegou com as recentes demissões em massa na indústria automobilística, levando o governo federal a adotar medidas de redução de impostos, visando aumentar o consumo de produtos e estancar a crise.
No âmbito da Igreja Evangélica brasileira, a crise tem levado milhares de pessoas aos templos para buscarem a Deus na solução de seus problemas. Segundo o pastor Sergio Amaral, vice presidente da Assembléia de Deus em Macaé, com congregações em Rio das Ostras, Cabo Frio e Carapebus, e durante as crises que o povo se aproxima mais de Deus e o Reino do Senhor cresce. Está provado na historia da humanidade, que e durante as crises que são forjados os grandes homens, diante dos problemas que os aflige. As adversidades tornam os homens pequenos ou gigantes, de acordo com sua fé e capacidade de reação. O melhor presidente dos E.U.A, segundo alguns especialistas em política americana, Abraão Lincoln, durante seu governo republicano aboliu a escravatura, dando inicio a Guerra da Secessão, que dividiu o país em uma luta sangrenta, ceifando a vida de milhares de americanos, mais nem por isso, diante da crise de governo ele, desistiu dos seus idéias de liberdade e democracia cristã, mesmo sendo chamado de fracassado lenhador. A maneira como você olha para o problema vai decidir seu futuro de vitorias ou derrotas.
Quando o gigante filisteu Golias, afrontou o exercito de Israel no Vale de Elá, durante 40 dias pela manhã e a tarde, com sua estatura de pelo menos 3 metros de altura, de maneira intimidadora, o rei Saul e seus guerreiros, espantaram-se e temeram muito. Porem, o pequeno pastor de ovelhas, o ruivo Davi, se voluntariou para aceitar o desafio insolente do gigante. Davi estava pronto para defender o nome do Senhor em um momento de crise de guerra que Israel enfrentava. Davi não olhou para o tamanho da crise, e sim para quem e maior do que todas as crises, o Senhor Deus. Por isso, ele afirmou: “ Hoje mesmo, o Senhor te entregara nas minhas mãos” (I Samuel 17.46). Com a vitoria sobre Golias, Davi teve isenção se impostos para sua família, acumulou riquezas, ganhou a filha do rei como esposa e se tornou escudeiro e harpista do rei Saul, vindo a sucedê-lo no trono. São nos momentos de crise, que surgem as oportunidades e Davi soube aproveitá-las.
Masaru Ibuka e Aki Morita aviam fracassados de algum modo antes de formarem uma parceria nos negócios. Ibuka não passou no teste para o emprego de sua vida, na Toshiba, mais não desistiu. Ele e Morita fizeram uma panela de cozinhas arroz automática, mais a maquina queimava o arroz, e eles só venderam cem panelas.
Depois se juntaram para construir um gravador de fita cassete barato, que vendiam nas escolas japonesas. Esse foi o inicio da Sony Corporation.
O primeiro de negocio de Henry Ford (foto), a Detroit Automobile Company, faliu em 2 meses por causa de disputas entre os sócios. A segunda fabrica de automóvel de Ford também faliu. Somente em sua terceira tentativa ele foi bem sucedido com a Ford Motors Company.
Phillip Knight queria construir uma fabrica de calçados, mais teve problemas. Seu fabricante queria maior parte da propriedade da empresa. Knight se recusou e ficou sem nenhum produto pra vender. Teve a idéia de fazer um sapato com uma sola fina e leve e começou a vende-lo por conta própria ate que uma greve dos trabalhadores das docas e a flutuação da moeda japonesa quase o puseram fora do negocio. Sua fabrica mal sobreviveu. Mas conseguiu – e hoje e conhecida no mundo inteiro. È a Nike.
Quando ouço historias como essas, fico estimulado a prosseguir no exercício da minha fé, mesmo com a crise batendo em nossas portas, por quanto aprendi a crer, que não a crise para quem está em Cristo.

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

O Zelador da Fonte - Charles R. Swindoll


O falecido Peter Marshall, orador eloquente e capelão do Senado dos Estados Unidos durante vários anos, gostava muito de contar a história do "Zelador da Fonte", um pacato habitante da floresta que vivia em um povoado da Áustria nas encostas dos Alpes. O idoso cavalheiro fora contratado havia muitos anos pelo então recém-constituído conselho municipal para retirar entulhos das piscinas formadas pela água que descia pelas encostas da montanha e abastecia a encantadora fonte da cidade.Com fiel e silenciosa regularidade, ele inspecionava as colinas, retirava folhas e galhos secos e limpava o limo que poderia obstruir ou contaminar o fluxo daquela corrente de água fresca. Aos poucos, o povoado começou a atrair a atenção dos turistas. Cisnes graciosos nadavam pela água cristalina. Rodas-d'água de várias empresas localizadas na região giravam dia e noite. As plantações eram naturalmente irrigadas, e a paisagem vista dos restaurantes tinha uma beleza indescritível.Os anos foram passando. Certa noite, o conselho da cidade reuniu-se para o encontro semestral. Enquanto seus membros examinavam o orçamento, os olhos de um deles fixaram-se no salário pago ao humilde zelador da fonte. O responsável pelas finanças perguntou: - Quem é esse velho? Por que está sendo pago todos esses anos? Ninguém o vê. Pelo que sabemos, esse estranho guarda da reserva florestal não tem nenhuma utilidade para nós. Ele não é mais necessário! Por unanimidade, resolveram dispensar os serviços do homem idoso. Nada mudou durante algumas semanas. No início do outono, as árvores começaram a perder as folhas. Pequenos galhos desprendiam-se e caíam nas piscinas formadas pelas nascentes, obstruindo o fluxo da água borbulhante. Certa tarde, alguém notou uma leve coloração marrom - amarelada na fonte. Dois dias depois, a água estava mais escura. Após uma semana, uma película de lodo cobria toda a superfície ao longo das margens, provocando mau cheiro. As rodas- d'água movimentavam-se com mais lentidão,e algumas chegaram a parar. Os cisnes abandonaram o local, e os turistas também. Houve um surto de enfermidades no povoado. Constrangido o conselho convocou rapidamente uma reunião exrtaordinária de emergência. Depois de reconhecer o erro grosseiro que haviam cometido, contrataram novamente o zelador da fonte... e, algumas semanas depois, as águas do autêntico rio da vida começaram a clarear.As rodas-d'água voltaram a funcionar e. mais uma vez a vid nos Alpes retomou o seu curso. Por mais fantasiosa que possa parecer, essa história é mais do que uma simples lenda. Ela contém uma relevante e clara analogia diretamente relacionada à época que vivemos. Os cristãos representam para o nosso mundo o mesmo que o zelador da fonte para o povo. Um leve sabor do sal misturado com raios de luz brilhantes e cheios de esperança podem parecer insignificante e desnecessários...mas Deus vem em socorro de qualquer sociedade que tente existir sem esses dois elementos! Veja, o povoado sem o zelador da fonte é uma representação perfeita do sistema mundial sem sal e sem a luz.

segunda-feira, 19 de janeiro de 2009

A Protetora de Anne Frank


2009 esta sendo um ano especial com múltiplas comemorações mundo a fora de verdadeiros ícones da igreja protestante, tais como os 500 anos de Calvino e os 400 anos do Movimento Batista iniciado em Amsterdam na Holanda por John Smith, mais também não poderia ficar de fora, a comemoração centenária de uma personagem quase anônima, que testemunhou o holocausto, hoje negado por um bispo católico, causando verdadeira revolta no mundo cristão. Todos já ouviram falar da garotinha Anne Frank que ajudou a proteger 4 pessoas judias escondendo-as dos nazistas de 1942 a 1944, no auge da Segunda Guerra Mundial. Anne Frank que morreu de tifo no campo de concentração de Bergen-Belsen, poucos meses antes do fim da guerra, tinha uma protetora. Seu nome Miep Gies, secretaria de seu pai Otto que junto com Gies, compilou as anotações de Anne em um livro que foi publicado em 1947, sendo traduzido para vários idiomas e vendendo milhares de exemplares, testemunhando o holocausto e a proteção de uma menina aos judeus perseguidos pelo nazismo.
Anne Frank, tornou-se um símbolo mundial de solidariedade e proteção as vitimas da Guerra e do genocídio. Sua casa, ainda existe na Holanda, aberta para visitação publica. Mais o que me chama atenção nessa historia, e que Anne Frank tinha também uma protetora, que hoje ao completar 100 anos, declara com muita humildade que não merece nenhuma homenagem, após 6 décadas ter viajado pelo mundo para falar de Anne e fazer campanha contra a negação do holocausto e de que o diária teria sido inventado. Miep Gies abre mão da gloria humana, transferindo todas as homenagens para Anne Frank. Isso nos faz lembrar, que todos nós, que fomos alcançados pela graça e misericórdia, também temos um protetor, que conhece os nossos segredos, angustias e sofrimentos. Que não revela para o mundo os nossos pecados, mais antes, lançou-os no mar do esquecimento. E um detalhe muito importante, esta sempre conosco nos protegendo 24 horas por dia. Enquanto esteve exercendo seu ministério pelas ruas empoeiradas da Judéia, também glorificou Seu Pai. Como protetor da Humanidade salvou milhões, não apenas judeus , mais sim diversos povos e nações. Diferentes de Anne Frank, não morreu em um campo de concentração, mais na cruz do calvário. Porem para nossa alegria e paz de Espírito, continua vivo nos protegendo todos os dias.

domingo, 18 de janeiro de 2009

Imagens que marcaram


No final do mês de janeiro de 2009, fui ao Rio de Janeiro, para tentar vender meu carro em uma agencia multimarcas com o preço melhor, o que não consegui, devido a crise financeira mundial. Para aproveitar a viajem, resolvi visitar alguns parentes paternos em Belford Roxo, cidade onde cresci, estudei me encontrei com Jesus e obtive grandes experiências espirituais.
Uma delas aconteceu no Templo Central das Assembléias de Deus, na época liderada pelo saudoso pastor Ademir Dias Duarte, um ex funcionário da Light, muito amoroso, que largou o emprego secular para somente se dedicar ao pastorado de um grande campo de trabalho, que teve inicio em 1925 com Jose Cajazeiras e Catarino Varjão em cultos realizados ao ar livre na Praça Dr.Francisco Sá, e com o crescimento da fé pentecostal, foi inaugurado no dia 02 de novembro de 1931, o primeiro templo da Assembléia de Deus em Belford Roxo. Na minha juventude, ao ser batizado com o Espírito Santo, acabei sendo expulso da Igreja Batista e passei a procurar os cultos pentecostais para adorar a Deus, foi onde naquela catedral, descobri o poder de Deus sendo derramado sobre as pessoas, me causando profundas impressões, com imagens de curas que marcaram minha fé pentecostal. Dezenas de grandes homens de Deus, sem formação acadêmica, porem com imensa autoridade na Palavra e unção, foram usados como canal de Benção para o crescimento do evangelho na cidade. As pessoas eram curadas os sinas e maravilhas eram evidentes, e eu cria que Deus tinha um propósito maior para minha vida no ministério pastoral.
Naquela época, o líder dos jovens era o Ev.Ismael Pinheiro, gerente da Casa Publicadora em Nova Iguaçu e presidente do Capitulo da Adhonep no município, que me apresentou ao movimento pentecostal na região. Foram tempos de buscar o poder de Deus, a sua Graça e misericórdia. Mais, a medida que o avivamento de cura, progredia, eu observava que o ensino Bíblico, seguido de discipulado se degenerava. Quase sempre percebia as mesmas pessoas indo a frente buscando apenas cura em todas as cruzadas evangelísticas. Também passei a observar que diversos evangelistas itinerantes falarem as pessoas que elas estavam curadas quando não estavam. Outro fator que esmoreceu minha fé foi os apelos incessantes para o levantar de ofertas através de pressão psicológica, onde comecei a raciocinar: Se esses pastores possuem realmente essa fé que propagam, por que precisam passar tanto tempo pedindo dinheiro? Era como se o avivamento tivesse deteriorado de algo puro para um instrumento de obtenção de gloria e dinheiro. Ao pesquisar a historia dos pais da denominação, descobrirmos que os sinais acompanhavam sua fé, mais nem por isso, viviam em competição ministerial. Foi em Belford Roxo, que fui iniciado nos bastidores do movimento pentecostal com seus vários aspectos positivos, tais como as conversões, a transformação moral e espiritual das pessoas e a alegria e o entusiasmo com que passam a assumir suas responsabilidade cristãs para com a família, igreja local e sociedade, como também, o lado negativo, com a valorização extrema da emoção em detrimento da Palavra de Deus, com enorme prejuízo doutrinário a Igreja.
Alguns amigos, diante dos meus questionamentos, diziam que eu continuava com a mente batista e o coração pentecostal. Claro que eu acreditava nas curas acontecidas durante as campanhas, como promessa de Marcos 16.17, porem, entendo que o mais importante na vida do homem esta na cura da alma. Quando a igreja se concentra apenas nos dons do Espírito Santo, principalmente o de profecia e cura, em detrimento da Palavra , o apelo para Salvação em Cristo, começa a perder a importância, e a igreja torna-se refém de “ Profetas” , alguns dos quais totalmente desordenados, sem nenhum vinculo ministerial. No período que vivi em Belford Roxo, aprendi que os dons devem operar na igreja , porem, o Espírito Santo opera em perfeita ordem, atraindo as pessoas somente para Cristo e jamais afastando-as de Deus.

sábado, 17 de janeiro de 2009

Cristão Limão ou Cristão Melancia?


O limão e a melancia são duas frutas muito diferentes, porém com algumas características semelhantes.- Ambas são da Classe das Magnoliopsidas- Ambas têm, normalmente, a casca esverdeda- Ambas são ricas em vitaminas B e C- Ambas são ricas em sais minerais (Ferro, Cálcio e Fósforo)- Ambas produzem um suco muito refrescante- Ambas possuem baixo teor calórico (em 100g, o limão possui 25 calorias, e a melancia, 32).Por outro lado, existem algumas diferenças bastante visíveis entre as duas frutas. A que eu gostaria de destacar é o SABOR.O limão, por ser rico em ácido cítrico, tem um sabor fortemente azedo. Já a melancia é bastante suculenta (90% da polpa é de água) e de sabor adocicado.O Cristão "Limão"Este é aquele cristão que, às vezes, tem muitas boas qualidades, assim como o limão. Pode até mesmo ser uma pessoa extremamente inteligente e culta nos assuntos bíblicos, doutrinários, teológicos, etc. Pode até conhecer a Bíblia de capa-a-capa. É aquele que sabe textos bíblicos de cor, e os recita na ponta da língua. Ganha muitos concursos bíblicos, e até recita o Salmo 119 quase todo (rsrs). É um dos primeiros a chegar na igreja, e se orgulha de seus gostos conservadores.Mas é azedo... ácido.É uma pessoa muito crítica, que só consegue ver o defeito, os erros, nas outras pessoas. É aquele que não mede as palavras e, frequentemente, as utiliza para machucar e causar sofrimento. Ele não pensa duas vezes antes de apontar o dedo e acusar, criticar. Está sempre insatisfeito e falando mal de tudo e de todos. Na hora do almoço, para o cristão "limão", o prato principal é falar sobre os erros dos seus "irmãos" (a roupa, a música, a pregação, a recepção...tudo). Nada o satisfaz plenamente.Talvez fosse deste tipo de cristão (o "limão") que Tiago se referia quando escreveu:"Se alguém supõe ser religioso, deixando de refrear a língua, antes, enganando o próprio coração, a sua religião é vã" (1:26)."Assim, também a língua, pequeno órgão, se gaba de grandes coisas. Vede como uma fagulha põe em brasas tão grande selva!" (3:5).E o próprio Salomão também já havia falado sobre isso:"O que guarda a boca e a língua guarda a sua alma das angústias" (Prov. 21:23).O cristão "limão" tem muitas qualidades, mas tem um péssimo defeito: SEU SABOR... argh!O Cristão "Melancia"Este também é muito valioso. Também se dedica a estudar a Bíblia profundamente, e está sempre entre os que mais a conhecem. Sabe defender sua fé, mas utiliza as palavras de forma a construir bons relacionamentos, que facilitam a entrada de Jesus na vida das pessoas. Ele procura entender as dificuldades dos seus irmãos, e se coloca à disposição para ajudar. Está sempre preocupado com os que estão desanimados na fé, e os visita com frequência levando palavras "doces" e edificantes.A grande vantagem do cristão "melancia" sobre o cristão "limão" é exatamente O SABOR. As palavras doces, o espírito amigável e reconciliador, o semblante terno e convidativo, são características do cristão "melancia". Nem todos gostam dele, mas isso não é problema, pois ele continuará sendo "doce" do mesmo jeito."A resposta branda desvia o furor, mas a palavra dura suscita a ira" (Prov. 15:1)."A longanimidade persuade o príncipe, e a língua branda esmaga ossos" (Prov. 25:15).ConclusãoMuitos de nós alternamos os dois tipos de cristianismo: hora somos "limão", hora somos "melancia". Os dois são muito importantes, e precisam co-existir.Mas não há dúvidas de que o cristão "melancia", que sabe usar as palavras na hora certa, sem ferir ou machucar desnecessariamente, é aquele que nós mais precisamos nas horas em que a "sede" da alma aperta.Limão ou Melancia, você decide o que deseja ser
Autor: Prof. Gilson Medeiros

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Yun – O Homem do Céu que derrotou o Imperador Vermelho


Durante as Olimpíadas de 2008 , o mundo voltou-se com os olhos arregalados para a China milenar de Mao Tse Tung, e sua pujança econômica, com a força de trabalho de 1 Bilhão e 200 milhões de habitantes.
A China dos Mandarins, tornou-se uma superpotência com a ascensão ao poder do Imperador vermelho, o líder dos comunistas e criador da Republica Popular da China, Mao Tse Tung em 1° de outubro de 1949, que passou a ser venerado pelo povo como verdadeiro deus. Dentro do complexo de edifícios denominado Zhongnanhai em Beinjin, o governante escreveu a Bíblia dos chineses: o Livro Vermelho, que serviria de guia para o grande salto para frente que a China pretendia em 15 anos superar as grandes nações européias. Durante 27 anos, o camarada Mao procurou sepultar a fé cristã em solo chinês, perseguindo os cristãos, expulsando missionários estrangeiros, queimando Bíblias, enfim, caprichos signos dos mais cruéis dos imperadores chineses. A Esposa de Mao, Jiang Qing, chegou a fazer esta declaração a visitantes estrangeiros:” O Cristianismo Chinês esta hoje confinado á ala histórica do museu. Está morto e enterrado”.
Passados 33 anos da morte de Mao, que tem seu corpo hermeticamente fechado dentro de um esquife de cristal com 22 litros de formol, a Igreja Domestica Chinesa não para de crescer, como um verdadeiro milagre de Deus, e permanente avivamento espiritual.Deus levantou milhares de homens e mulheres simples de coração quebrantado e purificado com fogo do Espírito Santo, sobrevivendo a várias décadas de sofrimento, perseguição e tortura como parte de um treinamento especial, declarou o pastor Liu Zhenying, o irmão Yun(foto), nascido na Província de HHenan, no Sul da China, um dos lideres da Comunidade Sinim da Igreja Domestica da China, também conhecido mundialmente como “ o Homem do Céu”. Agradecemos a Deus pois ele: “ escolheu as coisas loucas do mundo para envergonhar os sábios e escolheu as coisas fracas do mundo para envergonhar as fortes; e Deus escolheu as coisas humildes do mundo, e as desprezadas, e aquelas que não são, para reduzir a nada as que são, afim de que ninguém se vanglorie na presença de Deus”. (ICorintios 1:27-29).
O menino de 16 anos, franzino e pobre, não imaginava o quanto Deus haveria de usá-lo como instrumento para o crescimento de sua Igreja em solo Chinês e demais nações da Terra, em uma prova cabal e irrefutável de que Cristo continua vivo, salvando e curando milhões de chineses, enquanto que o outrora aclamado Imperador Vermelho, Mao Tse Tung permanece morto e embalsamado em um esquife de cristal. Alguém disse: “ Não são os grandes homens que transformam o mundo, mais sim os fracos, nas mãos de um grande Deus”.

quinta-feira, 15 de janeiro de 2009

Desistindo de si mesmo



A vida de um homem não consiste na abundancia dos bens que ele possui ( Lucas 12.15)
Em um mundo louco totalmente competitivo, onde as pessoas são incentivada desde sua infância a “ter” ao contrario de “ ser”. Em uma sociedade consumista, onde a pessoa vale pelo que possui: dinheiro, posição social, poder, títulos acadêmicos. Onde existe uma corrida desenfreada para acumular riquezas, fica difícil acreditar que o segredo de uma vida bem sucedida e feliz é desistir de si mesmo.
Diante da crise financeira mundial que estamos atravessando, onde fortunas foram transformadas em pó, se por acaso, um pregador do evangelho, for convidado para falar da bolsa de valores de Nova York e declarar com autoridade e conhecimento de causa que: “Ha maior felicidade em dar do que em receber” ( Atos 20.35). Certamente será chamado de louco, porque o evangelho simples e loucura para o mundo.
Saulo, mestre dos fariseus, que aprendeu todas as leis e tradições judaicas aos pés de Gamaliel, o maior sábio de sua época, desistiu de sua oposição de guardião da Fé judaizante no caminho de damasco, para se tornar discípulo do Cristo vivo, e apostolo Paulo vivendo e levando a mensagem de Boas Novas aos gentios, porquanto acreditou nas palavras do mestre: “ o maior entre vocês devera ser o servo. Pois todo aquele que a se mesmo exaltar será humilhado, e todo aquele que a se mesmo humilhar será exaltado”. Pode parecer contraditório e sem lógica, mais no Reino de Deus, o menor é o maior, o pobre é o rico, o simples é o sábio, o fraco é o forte, o servo é o senhor. Se você esta correndo de um lado para o outro em busca de uma felicidade na capacidade do ter, dê marcha a ré, desista de si mesmo. Busquem pois em primeiro lugar o reino de Deus e a sua justiça e todas essas coisas lhes serão acrescentadas. Matheus 6.26.
Conta-se que Carlos Studd(foto) , o rico desportista inglês do século 18, renunciou a fama e a riqueza de sua família aristocrática para realizar uma grande obra missionária na China, Índia e depois no Sudão, percorrendo e evangelizando entre o Rio Nilo e o Lago Chad, a maior região da África, após ouvir com grande choque em 1877, as mensagens evangelísticas de Moody.
O maior desportista da Inglaterra, campeão mundial de criket e estudante da Universidade de Cambridge, desistiu de si mesmo por amor a Cristo e encontrou o verdadeiro significado da vida do Cristão: Servir a Deus com alegria e paz no coração.

quarta-feira, 14 de janeiro de 2009

Quando os anciões se aposentam.


Esta se tornando comum em algumas igrejas com a posse de novos pastores bem mais novos, a aposentadoria compulsória do conselho dos anciões, diferente da cultura da igreja no oriente.
A igreja evangélica brasileira com seu crescimento extraordinário e sua juventude pulsante, não encontra lugar para valorização da experiência dos anciões, onde muito deles, são considerados ultrapassados e conservadores, verdadeiras peças de decoração em alguns púlpitos pelo Brasil a fora. Não recebem oportunidades, nem mesmo para realizarem uma oração em final de culto, o que lhes entristece sobre maneira. O pastor jovem, porem sensato, se quiser exercer um ministério vitorioso, ainda que ele tenha grande conhecimento bíblico e unção dobrada como profeta Eliseu, certamente vai buscar o conselho dos anciões com muito amor e humildade para não tropeçar nos seus passos velozes, caindo em desgraça e vergonha diante do mundo.
Esta mais do que na hora, de aprendermos a honrar em vida, aqueles que derramaram lagrimas e gastaram suas vidas pro amor ao Evangelho de Cristo.De nada adianta construirmos bustos e estatuas, entregarmos diplomas de honra ao mérito aos familiares dos anciões. São em momentos de crise, que precisamos ouvir a voz da experiência para não cometermos erros que venham envergonhar o evangelho. Na historia do povo Hebreu, eles aparecem pela primeira vez antes de Êxodo 3.16 a 18, e depois são, a cada passo, mencionado como representantes da comunidade, sendo eles um meio de que se servia o povo para comunicar-se com os dirigentes da nação – Moises e Josué, os juízes e Samuel.
Moises tendo sobre si o peso da administração da justiça, por conselho de Jetro seu sogro, nomeou magistrados de vários graus de autoridades, delegando-lhes neles a resolução dos negócios, a exceção dos mais graves Êxodo 18-13 a 26. e pelo versículo 12 e evidente que esses foram escolhidos dentre os “anciões de Israel”. Acham-se exemplos dessas funções judicativas em Deuteronômio 19.12 :21.2 : 22.15: 25.7. o capitulo 11 do livro de números narra-nos como Moises dirigido por Deus, nomeou o conselho de 70 anciões para o auxiliarem e aliviarem. Como o Estado era essencialmente religioso, partilhavam os anciões de Israel do espírito que estava em Moises. Com este fato relaciona a tradição judaica a instituição do Sinedrio. Foram anciões de Israel que pediram s Samuel que lhes desse um rei ( 1°Samuel 8.5) representando a sua importância entre o povo. Conta-se a historia de uma tradicional competição de lenhadores em um dos países escandinavos. Toda a comunidade se envolvia nas provas, que duravam cerca de três meses. Certa vez os dois finalistas chamaram a atenção por possuírem características físicas distintas. De um lado, um jovem atleta, bem falante. Do outro,um idoso franzino de modesta aparência e econômico nas palavras.
Foi dada a largada, e ambos tinham o desafio de derrubar uma arvore. Cada um tinha um serrote, venceria aquele que terminasse primeiro, o que poderia levar horas.Logo o jovem arrebatou a torcida com seus movimentos. Do outro lado, para surpresa de muitos, o velinho parava o trabalho a cada 15 minutos e entrava em sua tenda. Após duas horas de competição, o silencio tomou conta do ambiente com a queda da primeira árvore. Evidenciado o vencedor, todos aplaudiram de pé. Quem venceu? O idoso. Encorfomado, o jovem foi lhe perguntar como tinha sido possível aquilo. O velhinho lhe respondeu: “ Meu jovem, toda vez que eu parei, era para afiar meu serrote”.Que grande lição.Sempre aprendemos algo importante com os anciões.

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

Pastores Fast Food




Durante dois anos estive pastoreando uma pequena congregação em um bairro de Rio das Ostras, chamado Palmital, porem nunca encontrei nenhum palmito. Semana após semana, saia correndo do meu trabalho secular, para assumir o púlpito e levar o povo a adorar o Senhor Deus. Muitas vezes, estudava os textos Bíblicos na condução e dobrava os joelhos pedindo graça e misericórdia quando chegava ao templo. Aprendi no seminário teológico, que a uma distinção entre o que os pastores fazem aos domingos e o que nos fazemos no intervalo entre os domingos.
O que fazemos aos domingos não mudou realmente através dos séculos: proclamar o Evangelho, ensinar as Escrituras, celebrar os Sacramentos, oferecer orações. Contudo, percebo que algo mudou radicalmente e para alguns, o pleno exercício do púlpito, tornou-se uma deserção ou ate mesmo uma provação. Tem contemplado em inúmeras congregações por onde tenho passado para pregar a Palavra de Deus, que diversos pastores não permanecem muito tempo no púlpito, e geralmente gastam todo seu tempo pastoral nos cultos de domingo no gabinete, resolvendo problemas administrativos, buscando e estudando técnicas de crescimento do rebanho, aumento de receita, convite para cantores e pregadores famosos etc...
O que mudou na historia da igreja? Antes a congregação se reunia para adorar ao Senhor e o pastor buscava descobrir o significado da Palavra, desenvolvendo uma vida de oração em santidade e crescendo na comunhão. Havia proclamação das Boas Novas com a simplicidade do evangelho puro, sem técnicas de marketing. O objetivo final de cada culto alem da adoração a Deus estava na cura de almas, por ser a essência da personalidade humana. Porem , neste século nossa função, de maneira apressada, como se fossemos pastores Fast- food, tem sido apenas dirigir uma igreja- enquanto pernamecermos com um Espírito de competitividade, alimentando o rebanho com sermões pré-fabricados, pelo que recebemos da igreja e não por amor as almas perdidas, estaremos personificando pastores se sermos verdadeiros pastores, mesmo você recebendo os aplausos, admiração e respeito de suas ovelhas. Existe no meio evangélico, muitos pastores que estão fingindo serem pastores, por conta do status, prestigio na sociedade, ganhos financeiros, vantagens políticas quando negociam os votos das ovelhas, entre outras coisas. Existe aqueles, que também não possuem certeza de sua chamada pastoral, e sentem-se ameaçados por outros obreiros mais jovens e preparados, e adquirem a síndrome de Saul, alimentada pelo ciúme, inveja e ódio, como também, existem aqueles que se adaptam as necessidades da comunidade local, preenchendo o papel de maneira circunstancial. A escritora inglesa Anne Tyler, escreveu o romance chamado “ A Passagem de Morgan” onde ela conta a historia de um homem de meia idade que passava pela vida das pessoas com extraordinária auto-confiança e habilidade para assumir papeis e satisfazer as expectativas. O romance começa com Morgan observando um espetáculo de marionete no gramado de uma igreja na tarde de domingo. Alguns minutos depois de iniciado o espetáculo, um jovem surge de traz do palco e pergunta: “ Há um medico aqui?” . Após 30 segundos sem que houvesse uma resposta da audiência, Morgan se levante devagar, e deliberadamente aproxima-se do jovem e pergunta “ Qual o problema?”. A esposa grávida do encarregado, esta em trabalho de parto; o nascimento parece iminente. Morgan coloca o jovem casal na parte de traz de sua caminhonete e vai para o hospital. Na metade do caminho, o marido exclama: o neném esta chegando!
Morgan, calmo e confiante para junto a calçada, manda o futuro pai comprar um jornal de domingo na banca, como substituto das toalhas e lençóis, e faz o parto. Depois vai ate o pronto socorro do hospital, vê a mão e a criança colocadas com segurança numa maca e desaparece. Quando o alvoroço diminui, o casal pergunta pelo Dr.Morgan para agradecer, mais ninguém ouviu falar dele. Os dois ficam perplexos e frustrados por não poderem expressar a sua gratidão. Vários meses mais tarde, enquanto empurravam o carinho da criança, viram Dr.Morgam do outro lado da rua. Os dois correm para complementá-los mostrando-lhe a criança sadia que ele trouxe ao mundo. Contam como tinham feito tudo para encontrá-lo e falam da incompetência burocrática em descobri-lo. Num surto pouco costumeiro de sinceridade, ele admite que não é verdadeiramente um medico. Na verdade, e dono de uma mercearia. Mais, eles precisavam de um medico e fazer esse papel naquelas circunstâncias não foi nada difícil. É uma imagem, diz ele: Você discerne o que as pessoas esperam e se ajusta ao papel. Pode fazer isso com todas as profissões. A seguir confidencia: “ Vocês sabem, eu nunca me prestaria a me fingir de encanador ou açougueiro, seria apanhado em 20 minutos.
Essa historia nos ensina que podemos personificar um pastor sem ser pastor, um cristão sem ser cristão. Porem nunca conseguiremos enganar a Deus.

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

Bodas de Ouro, uma coisa bonita para Sarah


As muitas águas não poderiam apagar este amor, nem os rios afogá-los. ( Cantares de Salomão 8.3)
Faltam apenas 3 anos, para meus pais completarem bodas de ouro de casamento, que com o fruto dessa união, gerou 2 filhos e 5 netos. Ambos já passaram dos 70. Com muitas lutas, porem inúmeras vitorias, para criarem os filhos nos caminhos do Senhor.
Ele, capixaba. Ela, pernambucana decidida, que com 14 anos veio para o Rio de Janeiro trabalhar como tecelã na fabrica Nova America, e assim conseguiu trazer suas 4 irmãs pequenas de Recife. Estudar não pôde. A vida não lhes permitiu, porem aprenderam nas Escrituras Sagradas, que o temor do Senhor e o principio da sabedoria. O desejo dela de servir a Deus, era tanto, que quando o primeiro filho nasceu, apresentou-lhe na casa de Deus e decidiu no seu coração, quando crescer vai ser Pastor. E não é, que Deus ouviu suas orações.
Já fui convidado para celebrar casamentos, mais nunca uma boda de ouro. Também já participei poucas celebrações por 50 anos de casamento, principalmente de pastores, um deles, muito bonito por sinal foi do Bispo Manoel Ferreira, e sua esposa Missionária Irene Ferreira. Porem, uma das historias de casamento mais bela que já ouvi, foi do reverendo Morris Chalfant, onde um casal estava completando bodas de ouro e alguém perguntou ao marido qual era o segredo do sucesso de seu casamento. Como as pessoas mais idosas costumam fazer, o marido respondeu a pergunta com uma historia.
Sua esposa Sarah, foi sua única namorada. Ele cresceu em um orfanato e trabalho muito para conquistar o que desejava. Nunca teve tempo para namorar, ate o dia em que conheceu Sarah. Antes que o jovem pudesse refletir, Sarah fez com que ele a pedisse em casamento. Depois das promessas feitas, no dia da cerimônia nupcial, o pai de Sarah chamou o noivo de lado e entregou-lhe um pequeno presente, dizendo: - Dentro deste presente, esta tudo o que você necessita saber para ser feliz no casamento. Nervoso o jovem noivo rasgou a fita e o papel para abrir o presente. Dentro da caixa havia um grande relógio de ouro. Ele o pegou com cuidado. Depois de examiná-lo atentamente, ele viu no mostrador uma frase que leria obrigatoriamente, todas as vezes que quisesse saber as horas... palavras que continham o segredo de um casamento feliz: Diga sempre alguma coisa bonita a Sarah.

domingo, 11 de janeiro de 2009

A palavra que transforma


Na década 60 um conhecido bandido no México, ao assaltar um estabelecimento comercial, levou, entre as coisas saqueadas, uma Bíblia. As autoridades começaram a fazer buscas persistentes do homem, enquanto ele esteve em oculto numa caverna. Como ele nada tinha para fazer, começou a ler a palavra de Deus. Depois quando todos haviam se esquecido de sua perseguição inútil ao bandido, apresentou-se ao tribunal criminal de Saltilho, no México, um homem que disse: - Aqui estou como prisioneiro. - Quem é você?, perguntou o Juiz. - Eu sou Juan Chavez. O Juiz estremeceu ao ouvir o nome do terrível bandido, mas perguntou: - O que o levou a vir e apresentar-se como prisioneiro? Serenamente o bandido tirou uma Bíblia que trazia guardada e apresentando-a disse: - Este livro me trousse de volta para pagar a minha dívida para com a sociedade, justamente como Jesus pagou a minhas dívidas perante Deus. Deus nos ama tanto que deixou para cada um de nos a sua palavra na forma escrita: A Bíblia Sagrada. Num mundo de tantas mudanças rápidas, e onde existe uma confusão de teorias, idéias, filosofias, temos uma bússola fiel e segura, a Bíblia Sagrada, que nos mostra de forma clara e inequívoca a vontade de Deus para nossos dias.

sábado, 10 de janeiro de 2009

Pastores Diante da Síndrome de Lúcifer



O Evangelho de Lucas, com o glorioso magnificat de Maria, declara:
Minha alma engrandece ao Senhor,
E meu Espírito se alegra em Deus meu Salvador...
Ele abateu os poderosos e seus tronos
E exaltou os humildes;
Satisfez os famintos de coisas boas
E aos reis dispersou de mãos vazias
Os Institutos de Treinamentos de Liderança Cristã, tem realizado estudos recentes sobre o papel do Pastor-servo na igreja atual e descobriram que não cabe mais o pastor que vive em um pedestal de onde da ordens soberanas, esperando obediência servil a toda prova. Depois de pesquisarem igrejas com lideres autocratas que não se interessam em ouvir suas ovelhas, e muito menos acreditam no potencial, inteligência e a criatividade dos membros da congregação.
Os pastores autocratas que sofrem da síndrome de Lúcifer se consideram as únicas cabeças pensantes na igreja liderada com braço forte e mão de ferro. Não existe inteligência alem da sua. Os demais membros do corpo de Cristo precisam ser tutelados e sempre estarem dispostos a beijarem sua mão, dizendo: Faremos tudo que seu mestre mandar, como nas brincadeiras de criança. Para o pastor autocrata, a direção espiritual da igreja não pertence ao Espírito Santo, mais sim as determinações que saem do seu “ trono”. Somente ele como “anjo” da igreja possui a visão necessário para o crescimento da obra e apenas suas opiniões são validas. Caso alguém venha discordar, estará na lista negra dos rebeldes, tendo como castigo o voto de silencio, não podendo mais pregar, orar, ou ensinar no púlpito, da mesma maneira como aconteceu com John Wesley.
Umas das marcas registradas da personalidade do pastor-autocrata esta na sua soberba, que passa a ser a mola impulsora para os relacionamentos entre os seus liderados. Tudo gira em torno da idéia de que “ Sem mim nada podeis fazer”. No púlpito costumam bradar bem alto, fazendo tremer os neófitos da fé, dizendo: “Somente Deus pode me tirar daqui”. Por causa dessa visão distorcida do Reino de Deus, onde se consideram senhores e não servos, a igreja sofre com divisões e contendas desnecessárias, enfraquecendo o evangelho.
A vida do Pastor-autocrata não e movida por princípios Bíblicos de respeito ao próxima e dialogo com partes contrarias, mais sim movida a partir do sentimento de prepotência, beirando a paranóia religiosa, e se alguém discordar ou lhe der negativa passa a ser rotulado como filho do diabo e inimigo de Deus, no caso ele, o vigário de Deus na Terra.
O pastor-autocrata pratica o culto da personalidade e leva o povo inconscientemente a adorá-lo como o “Grande Pastor”, portador único da revelação divina para as Nações, cabendo a ele completar o sacrifício vicário de Cristo. Somente suas mensagens são ungidas e repletas da verdade cristocêntrica. Quando um pregador itinerante traz uma mensagem exortativa, que fala ao coração da igreja com autoridade do profeta Natan, é taxado de mensageiro do inferno ou profeta da carne. A única mensagem agradável ao seus ouvidos é aquela que enaltece sua oratória, capacidade de administração eclesiástica ou oração farisaica.
Para o pastor-autocrata o conhecimento teológico aliado da autoridade sacerdotal que sua denominação lhe concede substituem a piedade, o amor e o respeito aos outros, que a partir de sua investidura no cargo de presidente da igreja, as ovelhas passaram apenas a posição de “ capachos” e “ escravos”. Se você concorda com ele em tudo, será alçado a posição de pastor auxiliar, mesmo sem ter vocação pastoral, ou então vai liderar um departamento com todas as benesses do poder , senão concorda, vai para a cisterna como Jeremias, ainda que você seja profeta de Deus.
Outra característica do pastor-autocrata esta na falta de transparência no uso dos tesouros da Casa do Senhor. Como ele, não precisa prestar contas a ninguém dos seus atos, ainda que pecaminosos, geralmente transfere responsabilidades para o contador da igreja, que na sua maioria reside ou trabalha em outra cidade distante da igreja local.
Um certo pastor quando questionado por um membro de banco, o porquê de não apresentar relatório financeiro na assembléia da igreja, declarou cinicamente, que seria para evitar algum possível roubo aos cofres da igreja e aqueles que desconfiavam da lisura do pastor, procurassem o tesoureiro para examinar o livro caixa. Porem ele esqueceu-se de avisar, que a tesoureira era sua filha, e o presidente da comissão de contas, era seu neto.
Por outro lado, ainda que alguns, considerem esse tipo de liderança ultrapassado no competitivo mercado da Fé, o verdadeiro pastor-servo, que tem como maior exemplo o fundador da Igreja, Jesus Cristo, por mais que ele tenha conhecimento teológico ou formação acadêmica, reconhece sempre sua falta de sabedoria como fez Salomão, sua pequenez, apensar de sua habilidade na arte da guerra, como fez Davi. Reconhece que e apenas um servo pastor cuidando do rebanho do Sumo Pastor Jesus Cristo, chamado por ele, como o apóstolo Paulo, e sendo abençoado e abençoando vidas pela graça e misericórdia do Senhor.

sexta-feira, 9 de janeiro de 2009

Pastores precisam ser Servos e não senhores.


E quem entre vós quiser ser o primeiro será servo de todos, pois o filho do homem não veio para ser servido, mais para servir e dar sua vida em resgate por muitos.
(Marcos 10.44-45)

Umas das características das igrejas pentecostais no inicio do século passado, estavam no surgimento de lideranças leigas sem formação teológica, contando apenas com o fogo do Batismo por meio do Espírito Santo para pregarem o evangelho com ousadia, como nos tempos da igreja primitiva, diferente dos “ Sermões prontos” pregados por pastores de igrejas históricas como também a centralização do poder eclesiástico, apenas no auto clero, cabendo exclusivamente ao presidente da igreja local a tomada de decisões. Contudo, esta provado que a centralização do poder sacerdotal e incompatível com uma igreja de alta performance evangelística e discipuladora. O pastor que centraliza as decisões espirituais e administrativas, sem levar em conta as demais opiniões dos oficias da igreja, como se fosse o senhor do templo, não inspira o surgimento ou vocação de novas lideranças. O Sumo Pastor deu um exemplo claro e significativo de que o verdadeiro pastor tem de servir mais que os outros, porque sua maior função e ajudar as demais ovelhas a crescerem na Graça e no conhecimento.
Ha uma historia sobre Alexandre, O Grande, de que gosto muito e tem tudo haver com a consciência de quem e líder e conhece o valor da cooperação. Alexandre conduzia seu exercito de volta para casa depois da grande vitoria contra Porus, na Índia. A região que cruzavam naquele momento era arida e deserta, e os soldados sofriam terrivelmente com o calor, a fome, e mais que tudo a cede, os lábios rachavam e as gargantas adiam devido a falta de água. Muitos estavam prestes a se deixar cair no chão e desistir.
Por volta de meio dia , o exercito encontrou um destacamento de viajantes gregos, vinham montados em mulas e carregavam alguns recipientes com água. Um deles, vendo o rei quase sufocar de sede, encheu um elmo com água e ofereceu a ele. Alexandre pegou o elmo das mãos e olhou em torno de si. Viu os rostos sofridos dos soldados que ansiavam tanto quanto ele, por algo refrescante. “ Obrigado, mais pode ficar com a água” disse ele, “ pois não tem sentido matar minha sede sozinho, e você não tem o suficiente para todos”. Devolveu a água sem tomar uma gota. Os soldados aclamando seu rei, puseram-se de pé e pediram que o líder continuasse a conduzi-los adiante.
Na Igreja do Senhor Jesus, todos precisam participar de cada atividade, ate mesmo as crianças precisam estar envolvidas nos projetos evangelísticos e missionários. Essa sensação de participar de um projeto e que gera desde a criança a noção de sua importância de sua capacidade de realizar uma meta, enquanto membros do Corpo de Cristo.
São atitudes exemplares deixadas por Jesus Cristo quando lavou os pés dos discípulos, como prova de humildade e serviço, que reforçam a integração dos seguidores do Caminho. Tenha certeza de uma coisa: quando as pessoas estão integradas e conscientes de que a responsabilidade em fazer a obra de Deus e de todos, a igreja se desenvolve e superam os próprios limites.

quinta-feira, 8 de janeiro de 2009

Ufanismo Desenfreado


Marcos 8.35-36.
Pois quem quiser salvar a sua vida, a perderá, mas quem perder a sua vida por minha causa e pelo Evangelho, a salvara. Pois, que adiante o homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?

Em uma reunião de pastores de varias igrejas, cada um dos que subiam ao púlpito faziam apologia desenfreada de sua denominação, com suas raízes históricas tradicionais ou vigor pentecostal.
O primeiro de dizia um digno representante da tradição calvinista com uma teologia solida e inabalável, proveniente da Escócia desde os tempos de John Knox. Já o segundo apresentava o relatório do crescimento meteórico de sua igreja mística com seu profundo relacionamento com o Espírito Santo operando milagres e maravilhas pelos diversos cantos da terra em suas catedrais monumentais, onde cada filho marginalizado alcança prosperidade. Sua teologia e pratica e imediata, de acordo com as necessidades de sua membresia em permanentes campanhas ou correntes de Fé.
Já o outro pastor, avocou para sua denominação, os valores da liberdade e da democracia religiosa em um púlpito ortodoxo e fundamentalista com investimentos generosos no campo missionário em quase 400 anos de historia.
Essa cena patética de competição religiosa com seu ufanismo crescente, representa a colcha de retalhos que se transformou a igreja evangélica brasileira, que passou a ter a necessidade evidente de esvaziar-se do seu eu. Os estudiosos da historia da Igreja responsabilizam usando disciplinas da psicologia, sociologia e economia de mercado, a deteriorização dos valores morais da Nação, devido o silencio dessa igreja emergente, porem com lideranças personalistas que em nome da busca do poder temporal, estão abandonando os valores Bíblicos transformadores. A igreja cresce e aparece em quantidade, porem o que se evidência na sociedade, e a perda do valor do sal e falta da luz para as nações. O que esta acontecendo no Brasil e o reflexo do que já aconteceu nos E.U.A. propalado como maior nação protestante do mundo. O Prêmio Nobel de Literatura de 1970, o dissidente soviético Alexander Soljenitsin em seu famoso sermão aos E.U.A, proferido em 1978 na Universidade de Harvard, disse: “ Temos colocado esperança demais nas reformas políticas e sociais para tão somente descobrirmos que estamos sendo provados de nossa possessão mais preciosa; nossa vida espiritual. Ela é pisada pela multidão festiva no oriente, e pela comercial no ocidente”.
Vamos orar para que o Brasil não se torne um arquipélago continental religioso, formado de milhares de ilhas denominacionais e repleto de náufragos espirituais descrentes com a Fé no mercado.

quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

Cobra Coral


Geralmente o inicio dos governos são procedidos de noticias bombásticas, visando ganhar o apoio da opinião publica. São cortes no orçamento, demissões de funcionários fantasmas, auditorias em compras superfaturadas, enfim diversas atitudes governamentais, visando acertar o funcionamento da maquina publica. Porem como não existe governo perfeito, muitas das vezes os políticos cometem erros nas suas tentativas de acertar.
No inicio da administração do prefeito Eduardo Paes(foto) da Cidade do Rio de Janeiro, os jornais estamparam em manchete, a contratação da Fundação Cacique Cobra Coral para avaliação metereológica , visando evitar as tempestades de verão que assolam a cidade maravilhosa. Porem, esta contratação torna-se “ Sui Generis” pos a referida fundação tem como presidente uma médium para consultar o espírito do tempo. Como o contrato não tem custos para a municipalidade e nunca consegue fazer a previsão do tempo acertadamente, ninguém leva as previsões climáticas á sério.
Que bom seria, se os governantes, pudessem procurar alguém que sempre esta certo, e a quem devemos levar a sério. O Apostolo Pedro escreve a seu respeito: “ Temos, assim, tanto mais confirmada a Palavra profética, e fazeis bem em atende-la, como a uma candeia que brilha em lugar tenebroso, ate que o dia clareie e a estrela da alva nasça em vosso coração”. ( 2Pedro 1.19). Existe alguém que nunca esta errado, e nunca nos desencaminhara: Nosso Senhor Jesus. Devemos procurar ouvi-lo sempre.

terça-feira, 6 de janeiro de 2009

Discipulos de Balaão


Com freqüência recebemos propostas de pregadores itinerantes para ocuparem um púlpito, durante programações organizadas pelo Conselho de Pastores de Rio das Ostras nestes 7 anos de presidência. Muitos dos proponentes são evangelistas pentecostais que percorrem o Brasil de Norte a Sul, pregando um evangelho triunfalista de prosperidade e vitorias,que sabem manusear muito bem as palavras, levando o povo a uma verdadeira catarse coletiva, prometendo curas e milagres em nome do Senhor e da sua Palavra.
Objetivos e diretos, eles na sua maioria pregam com convicção e autoridade. Os que mais se destacam pelo poder da mídia, chegam a ter fã clube evangélico, como verdadeiros ídolos do mundo gospel. Entre eles, existem aqueles que como discípulos de Balaão, para garantirem sua renda mensal, oferecem aos pastores ou as igrejas, 50% da oferta arrecadada em campanhas e cruzadas, onde o bordão principal é: “Dê o melhor para Deus”. Diante de tamanha eloqüência a clássica frase torna-se realidade: “ As palavras convencem, mas o exemplo arrasta”. O patrono dos profetas pregadores, Balaão, não era apenas um grande orador, mas também possuía uma grande capacidade poética, como um sacerdote iluminado, de profunda convicção. Contudo, mesmo com roupagem sacerdotal e liderança religiosa, Balaão, tinha um problema muito serio, para um lidere Espiritual: Falta de caráter. Por cobiça, tornou-se desleal para com Deus e o povo de Israel, sendo necessário a utilização da jumenta com a visão angelical.
Nos dias que a igreja atravessa repleta de pregadores eloqüentes, porem sem a vida no altar, fica a pergunta será que Deus vai ter que usar novas jumentas para livrar o povo da maldição do pecado da idolatria?
Os discípulos de Balaão tem por pratica, geralmente um sermão baseado em Malaquias 3.10, e se esquecem de Lucas 9.23, quando Deus não quer apenas os seus 10%, mas 100% de nossa vida. Eles batem sempre na mesma tecla, que Deus ama a quem da com alegria ( 2Corintios 9.7), porem também se esquecem que as nossas justiças são como trapos de imundícia perante Deus ( Isaias 64.6). Portanto, se aparecer alguém em sua igreja, cobrando para pregar, por mais eloqüente que seja, mesmo fazendo cair fogo do Céu, lembre-se de que o evangelho e da Graça e como o Apostolo Paulo fazia, deve ser pregado de graça.

segunda-feira, 5 de janeiro de 2009

Tempo de Ficar Calado


Aquietai-vos e sabeis que Eu sou Deus
( Salmos 46.10)

Na primeira semana de janeiro de 2009, recebi inúmeras visitas de amigos que fiz durante minha passagem por diversas igrejas da região. O primeiro me convidou a retornar para a antiga congregação e realizar programações evangelísticas e de adorações, para tirar a igrejas da mesmice e estado de letargia. O outro, um Evangelista de Armação dos Búzios, que nunca pregou um só sermão em toda sua vida, falou-me que os irmãos estavam com saudade das Conferencias Missionárias organizadas no balneário fluminense.ambos saíram de minha casa, desanimados com meu sentimento de quietude, esperando o mover de Deus em minha vida.
Diante de nosso isolamento contemplativo e falta de ativismo religioso, uma antiga ovelha, declarou-me: “Pastor, parece que o irmão esta no deserto como um Eremita.”
Para muitas pessoas dentro da igreja, não existe a possibilidade de o Senhor chamá-las a um tempo de ficar, aquietar-se e renovar-se. E por isso, que com atividades frenéticas sem ouvir a voz do Espírito Santo, querendo conquistar o mundo para Cristo, a qualquer custo, acabam infelizmente perdendo a própria alma. Eles não conseguem entender que os desertos muita das vezes se tornam convites de Deus para um tempo de contemplação e reflexão, assim como aconteceu com o Rei Davi, o maior de todos os reis de Israel e homem segundo o coração de Deus, que era, movido por desafios e com constante ímpeto para a ação – e por isso, somente em meio as adversidades encontrava tempo para sondar sua alma e procurar perceber a ação de Deus em sua vida, como tão bem analisou o Pastor Ricardo Agreste no texto Tempo de Quietude.
Depois de mais de 30 anos de vida cristã, que teve inicio na Igreja Batista de Belford Roxo, na Baixada Fluminense e como um tagarela inveterado, ainda que das coisas do Reino de Deus, percebo que o momento e para ficar calado e deixar apenas o Senhor falar ao nosso coração e ganharmos maturidade de Fé.

domingo, 4 de janeiro de 2009

Revendo Conceitos


Nos idos de 1990 estava retornando do Rio da Janeiro para Cabo Frio em pleno verão nas verias escolares, foi quando sentou-se na poltrona ao lado e começou a puxar conversa durante a viagem, um senhor de meia idade, de origem oriental, provavelmente chinês ou coreano, que começo a falar sobre o Movimento de Igrejas Locais, no modelo de Watchman Nee, assim que observou minha leitura da Bíblia.
Aquele homem de semblante fechado, começou a atacar as demais igrejas evangélicas, alegando serem elas denominações fundadas pelo sentimento personalista de supostos lideres divisionistas, ao termino da viagem, em que o discípulo de Watchman Nee (foto) fez uma verdadeira apologia das igrejas locais, me convidando para realizar uma visita em Cabo Frio, o que prontamente recusei polidamente. Movido pela curiosidade, resolvi pesquisar sobre o Movimento das Igrejas Locais, buscando estudos no Instituto de Pesquisas Cristã, fundado por Walter Martin, especialista em seitas e heresias, e autor do livro “ O Novo Culto”, onde declarava que o movimento não se encaixava na definição teológica de igreja com sua falta de estrutura de poder estabelecido, alem da sugestão de que as igrejas locais eram as únicas verdadeiras igrejas de Cristo.
Para minha surpresa atual passado quase 20 anos, após fazer uma pesquisa visando preparar material para o curso de Historia da Igreja, encontro uma revisão de conceitos sobre o Movimento das Igrejas Locais , assinado por Gretchen Passantino Coburn, diretora do Ministério Resposta em Ação, e coautora do livro o novo culto, publicado em 1970, onde juntamente com o falecido Walter Martin, condenavam o movimento como herético. Interessante como as pessoas mudam de opinião com o decorrer do tempo. Isso me faz lembrar a origem das Assembléias de Deus no Brasil, quando Daniel Berg e Gunnar Vingren, abandonaram o porão da Igreja Batista de Belém, na rua João Balby, dando inicio a Missão de Fé Apostólica no dia 18 de junho de 1911, como alicerce do Movimento Pentecostal no Brasil, sendo perseguidos pelas Igrejas existentes na região ( Presbiteriana, Anglicana e Metodista), devido a pregação dos dons do Espírito, baseado em Atos 2.17,18.
Naqueles tempos, os teólogos de plantão, acusaram Berg e Vingren de serem heréticos, no entanto, a semente lançada em Belém do Pará, transformou as Assembléias de Deus na maior denominação evangélica do mundo. Agora, parecemos que a historia se repete.

sábado, 3 de janeiro de 2009

Olhando pelo espelho retrovisor



“ Quem só olha pro passado perde um olho, mais quem esquece o passado perde os dois”
( Antigo provérbio Russo)

Todos nós temos um passado e ninguém pode se esquecer disso. Pois esta semana, conversando com um pastor batista em Rio das Ostras, que considero decano da cidade, o qual carinhosamente o chamo de meu Bispo, ainda que o sistema de governo das igrejas batistas não seja episcopal, ele me fez um desafio, - Você precisa voltar para suas raízes, pois nesse coração pulsa o amor pela palavra e missões, marcas de um crente batista.
Naquele momento olhei pelo espelho retrovisor da minha vida e fui buscar na minha adolescência no período escolar, no colégio Batista Pan-Americano, com as aulas e professores missionários, o inicio do amor pela literatura e pelas Escrituras Sagradas . lembrei-me também do batismo nas águas na Igreja Batista Central de Belford Roxo com 15 anos de idade pelas mãos do Pr.Paulo Roberto Seabra, que depois de tornaria secretario executivo da Junta de Missões Nacionais e presidente da Convenção Batista Brasileira. Naquela época, no templo velho, sempre recebemos pregadores ilustres, na sua maioria missionários no período de férias, falando das experiências de Willian Carey, Salomão Ginsburg e de Samuel Mitt, quando foi para Bolívia, lembro-me do debate acalorado para escolher o nome da embaixada, Organização Batistas para Meninos, sendo escolhido Billy Graham em homenagem ao grande evangelista batista norte-americano, que ganhou do defensor dos direitos civis, dos negros americanos, o também pastor batista Martin Luther King Jr. Depois de mais de 30 anos passados, recordo-me com alegria, quando fui recebido no grupo jovem liderado pelo brilhante Sócrates Oliveira de Souza, com seu cabelo Black Power, marca registrada de sua personalidade. Hoje, pastor Socrates, membro do conselho geral da Convenção Batista Brasileira.
A Igreja Batista da Rua Lucia, contribuiu com vários filhos na Fé, para liderança da igreja evangélica Brasileira, disso não tenho duvida alguma, que bons tempos aqueles que não voltam nunca mais. Esta semana recebi de minha mãe uma crente batista do pe roxo, a revista compromisso, com texto comemorativo dos 400 anos de surgimento histórico dos batistas em Amsterdã- Holanda, fugindo da perseguição religiosa da Inglaterra, sendo liderados pelo Anglicano John Smyth, que batizou a si mesmo e depois alguns irmãos, dando origem ao embrião do grupo que hoje chamamos batistas. Mesmo que ainda hoje o conceito de ser batista, esteja bastante fluido e elástico, com sua diversificação doutrinaria e sua ampliação de tendências eclesiológicas, o dialogo democrático, o respeito e o acolhimento dos diferentes, são ensinamentos que recebi na minha distancia adolescências, fazendo de mim um batista de coração, porem crendo nos dons do Espírito Santo, do qual alem da busca da Palavra Bíblica não abro mão. De vez em quando, torna-se necessário olharmos pelo espelho retrovisor para não esquecermos nossas raízes.

sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

Para onde vai as Assembléias de Deus?


Durante a Assembléia Geral da Convenção Estadual das Assembléias de Deus no Estado do Rio da Janeiro, realizada no Centro de Convenções de Macaé em 2007, que entrevistei para o jornal Folha Evangélica, o Pastor Jose Wellington Bezerra da Costa, Presidente da CGADB – Convenção Geral das Assembléias de Deus no Brasil, que estava em campanha percorrendo todo território nacional, e foi na Terra do Petróleo, levar seu apoio ao candidato eleito Pr.Samuel Lessa.
Muito atencioso e com carisma pessoal envolvente, o cearense Jose Wellington conseguiu conquistar os votos dos convencionais cariocas e fluminenses na eleição que se seguiu em São Paulo no mês de abril, acrescentando ao seu histórico a liderança da Igreja a mais de 22 anos.
Em abril de 2009 no estado do Espírito Santo, haverá uma nova eleição, que decidira o destino da maior denominação evangélica do Brasil, que tem o maior numero de templos e pastores desse movimento de Fé que deu origem ao pentecostalismo no país, estando presente nas cidades, vilas, fazendas e povoados desse continente chamado Brasil.
Duas candidaturas se apresentam representando duas gerações de assembleianos com propostas para os desafios que a maior denominação pentecostal do mundo enfrenta diante da comemoração do seu centenário em 2011. Mesmo com seu gigantismo, uma realidade torna-se visível a todos que labutam na propagação do evangelho, as Assembléias de Deus, não e hoje a Igreja que mais cresce em território brasileiro, e muito menos é a mais propagada. Quando a midia fala de evangélicos no Brasil, sempre outros movimentos estão em evidencia. Parece que ao final da primeira década do século 21, chegou o momento em que as lideranças assembleianas precisam rever seus métodos, traçar novos planos, renovar estratégias e reprogramar o futuro.
Analisando os dados colhidos pelo projeto evangelístico Década da Colheita, os estudiosos do crescimento da igreja, chegaram a conclusão de que a um problema de estagnação. As Assembléias de Deus estão crescendo muito pouco e porque não dizer – Muitas igrejas locais estão decrescendo em numero de membros, enquanto outras apenas repõe a quantidade que saiu. A igreja não esta crescendo, e sim se subdividindo com a abertura de centenas de “Biroscas da fé”, como tem declarado um certo tele evangelista A igreja precisa vencer o desafio da falta de mobilização. O fato da maioria das igrejas serem independentes e cada qual terem seus próprios planos, dificulta seriamente a tentativa de viabilizar uma mobilização total em torno de um grande projeto nacional de evangelismo, como bem avaliou o Pastor Israel Alves pereira, líder da Assembléia de Deus em Ilhéus-Bahia, já em janeiro de 1996, portanto o desafio é antigo. Outro importante desafio, preconizado pelo candidato Pr.Samuel Câmera, presidente da Igreja-Mãe, onde tudo começou em Belém do Pará, diz respeito a renovação de métodos e estratégias evangelísticas que atinjam toda a população brasileira. Grande parte dos lideres da igreja, esqueceram-se de que Jesus, quando veio a este mundo,foi um verdadeiro revolucionário, mexendo com todas as estruturas existentes. A voz da igreja precisa ser ouvida, não será trocando o púlpito pelo palanque ou tribuna do congresso nacional, como querem alguns lideres da igreja em Brasília, que a Assembléia de Deus avançara sobre o inferno, detendo o crescimento do mal no País. A Igreja primitiva chamava a atenção de seus contemporâneos de maneira atuante: “ contava com a simpatia de todo o povo”. Atos 2.47.
O mundo precisa saber que as Assembléias de Deus no Brasil, como maior movimento pentecostal na historia da Igreja, continua viva, forte e dinâmica, mesmo estando perto de completar o seu primeiro centenário. O Brasil precisa saber que o fogo pentecostal trazido por Daniel Berg e Gunnar Vingren da gélida Suécia para Belém do Pará, incendiando com o evangelho os corações do povo brasileiro, ainda não se apagou e jamais se apagara, mesmo que com 98 anos de chama ardente.
Já foi dito, que a liderança Assembleiana ao participarem de eleições convencionais, parecem que estão em um ônibus lotado com as cortinas das janelas fechadas pensando apenas no destino final, sem se darem ao trabalho de olhar para fora, passando o tempo todo em discussões inúteis, como quem esta na melhor poltrona e quem demora mais no volante. Parafraseando o filósofo alemão Junger Habernas: As denominações requerem que os seus lideres possuam qualidade que ela não tem como lhes fornecer. Os pastores podem criar visões elevadas de uma igreja rica, saudável biblicamente e livre do pecado, mais nenhum governo eclesiástico e capaz de fornecer as qualidades de honestidade, compaixão pelas almas perdidas e responsabilidade pessoal com o reino de Deus que precisam estar por traz dessa visão.
Que no próximo pleito convencional, os pastores eleitos, diante dos desafios que se apresentam para as Assembléias de Deus, possam ser pastores que buscam ativamente apenas cumprir a visão de Deus quanto ao seu ministério, como verdadeiros tesouros para Igreja no Brasil.